sábado, 5 de outubro de 2013

O fulcro de uma situação desconfortável

Já vive em constante dilema: fala/não fala, chama/não chama, pensa/não pensa. Como se ainda não bastasse os conflitos interiorizados é preciso lidar com uma gama de informações, compromissos, comportamentos e pensamentos. Daí, que as vozes são dissonantes todo mundo já sabe. O que fica em pauta é a simultaneidade, a fragmentação e a pluralidade. Como conciliar? O indivíduo chega num ponto que tem de se desdobrar, se multiplicar. Mesmo sendo um, tenta ser vários e, na interdependência, cria um complexo multifacetado de experiências.